Domingo, 18 de Fevereiro de 2007

Segunda Semana - Entrevista a Gil Vicente

Boas pessoal!

 

Esta semana o nosso querido SAPO pediu-nos uma entrevista com o nosso autor...

Pois bem, passámos momentos bem complicados até conseguirmos achar uma forma de entrevistar alguém já falecido, mas...

Bem, ficámos estupefactos!

O que à primeira vista parecia ser impossível, tornou-se realidade!

Gil Vicente? Aquele que morreu há quase 500 anos?

Enganam-se! Está vivo, e de boa saúde! A nossa equipa teve o prazer de o entrevistar, e assim conseguir completar a tarefa da segunda semana!

Queres dar uma espreitadela?

 

Primeira Parte

Gil Vicente está vivo e de boa saúde

 

Segunda Parte

A Entrevista

 

Making Of

Apresentamos, como complemento dos vídeos, o guião da nossa entrevista, o qual inclui, todas as perguntas e respostas. É de referir que as nossas gravações não seguiram à risca este guião, pelo que poderás encontrar ligeiras diferenças...

 

VANESSA – Boa noite... Bem-vindos a mais um DizQueSim, o nosso programa semanal. Esta semana temos connosco Gil Vicente. Mas, afinal, quem é este homem?
GIL VICENTE – Ora quem sou eu? Pois bem, eu sou um simplório que virou estrela de castelo! É que aquilo por lá é uma escuridão... Se não há mesmo uma estrelinha a orientar… imaginem… Pois bem, fui fazendo umas peças – os autos, como se diz por aí – e a realeza foi curtindo a cena (se é que perceberam o trocadilho) e foram-me, digamos, contratando para escrever. Depois peça puxa peça, mais uma animaçãozita, mais isto, mais aquilo, e lá fui eu ficando famoso pelas comédias que escrevi...
 
ALÉXIS – Hmm... E o que pensam os seus filhos do seu trabalho?
GV - Ah eles pensam muito bem! Pensam que eu escrevo muito bem... Pensam que as minhas peças são só para a comédia… Mas enganam-se! Eu nunca fui realmente bom na escrita. Eu tenho é um amigo de um amigo dum primo meu que percebe da coisa e lá me vai dando umas dicas. Sem ele as minhas peças não eram nada. E quanto a isso de só serem feitas para a comédia também está mal! Porquê? Porque esse amigo do amigo do meu primo escreve que é uma beleza, mas aquilo não tem piadinha nenhuma e, então, o quê que faço? Ora eu pego na escrita lá do rapaz e espeto-lhe com a crítica em cima! Sim, porque a sociedade do meu tempo está uma valente me*[sinal de corte]! Está tudo mal, e, a meu ver, tem que ser tudo mudado. Daí a constante crítica.
 
V – Claro, compreendemos! Em que momento da sua vida é que descobriu a escrita? E em que circunstâncias isso aconteceu?
GV - É como já lhe disse: eu conheci um amigo dum amigo...
A – (interrompendo) ...de um primo seu...
GV - ...eeeexacto... e ele lá me foi incentivando a escrever... Depois como não tenho mais que fazer… observo, observo… e de vez em quando lá me inspiro. Depois foi só tomar-lhe o gosto.
 
V – Diga-me Vicente, considera-se uma pessoa criativa?
GV - (a olhar para trás, por cima dos ombros) Quem?! Eu?! Criativo?! Naah!!! Quer dizer... Sim!!! Ora bem… Se desdobrarmos a palavra criativo em cria+activo, sim, sim! Crias tive 5 e, para tal, foi necessária alguma actividade. É por isso que mantenho esta boa forma, que poderia ser ainda melhor, mas aquelas donzelas lá da corte…
 
A – Pois, sim... Já percebi o seu lado criativo... e... relativamente aos seus conhecidos, aos seus colegas, o que dizem eles acerca do seu trabalho?
GV - O mesmo que os meus filhos.. “ah e tal, escreves bem!” Ao que eu respondo: “pois ora então muito obrigado”. Mas claaaroo, que eu sei muito bem o que se passa por trás! Mas não sou estúpido! Quero é ficar com os louros da coisa... oh... (em terra de cegos quem tem um olho é rei e, por aqueles lados, ninguém anda a ver nada...)
 
V – Existem pontos comuns nas suas obras?
GV – Pois, claro que sim!
A – Então? Quais são?
GV - A crítica, a comédia, o ponto de interrogação e o de exclamação... São realmente os pontos que mais uso. Mas se entendermos comum por vulgar, então terei que dizer que é o ponto final (que é coisa que precisava ser feita na altura, pôr um ponto final na coisa [estado degradante da sociedade]).
 
V - Sente que a sua crítica é diferente da que os seus contemporâneos fazem (e da que se faz actualmente)?
GV - Uma crítica é sempre uma crítica, logo como é que as críticas podem ser diferentes? É obvio que a crítica que eu faço é idêntica à que os outros fazem. A maneira como a fazem é que é diferente. Mas isso deve-se ao amigo do amigo do meu primo, claro... Quanto à crítica que se escreve actualmente, penso que basicamente foca os mesmo pontos: o de exclamação e de interrogação, mas, sinceramente, o ponto final da coisa… nem vê-lo! Também acho que quanto à crítica em si, os críticos de hoje criticam as mesmas classes sociais: as mais altas, as médias, e as baixas, (é tudo uma questão de alturas [tempos e classes sociais]).
 
(VOZ-OFF [30 SEGUNDOS] - NOTÍCIA DE JOSÉ SÓCRATES)
 
GV – (Espantado) Quem é esse tal José Sócrates???
V – É o nosso actual primeiro ministro.
GV – Nobreza?!
A – Comparando ao seu tempo, sim...
GV – Ah... então era logo para a barca do Inferno.
V – Desculpe??!
GV – Disse que vou apontar isso no meu caderno, para não me esquecer...
V – Ahh! (Olha para o Aléxis e encolhe os ombros)... Bem mudando de assunto...
A - Na sua crítica, como trabalha as personagens tipo? Procura apanhar todos os pormenores?
GV - Todos, todos, não que isso dá muito trabalho, como é óbvio! Mas, é bem verdade que, na caracterização, são os pormenores que nos ajudam a construir o essencial.
 
V – Gil, nas suas obras tem alguma atitude parcial?
GV - Tenho tenho: normalmente quando critico uma classe social critico logo outra. Portanto, trabalho aos pares... Sou parcial...
A+V –  (Trocam olhares desentendidos)
 
A – Para si quais são os limites da crítica?
GV - O limite inferior ou superior?
A+V – (Olham um para o outro e fazem uma cara de desaprovação, juntamente com o som "Hmmm"...)
GV – Bom... quanto ao inferior, o limite é estar calado. Quanto ao superior, é chamar nomes a alguém. Tipo, “oh seu ladrãozito de tigela cheia” ou “esses campónios que têm a mania que plantar batatas é que é vida”. Então e a arte?! Já não se valoriza quem faz arte?
 
V - Tinha de ter algum cuidado com a forma como expressava as suas críticas, para evitar problemas na corte?
GV - No início mais: há sempre os que não são distraídos e ficam para lá enfonados... Mas com o tempo foi só dizer-lhes que sim senhor, que tinham muita razão e pronto! Agora é só rir… é só rir…  
 
 
A - Como prepara as suas obras?
GV - Com papel, pena, e uma conversita de ao pé de orelha, com o amigo do amigo do meu primo...
 
V - Como incluiria a sociedade actual na sua sátira social tão singular? Que grupos abordaria?
GV - A classe alta, a média e a baixa. Os personagens também não mudavam muito: os tipos saúde… educação… finanças… os guerrilheiros de palavras, que se chamam…Como é mesmo?!
A+V – Os políticos?
GV - Os políticos!... Os das ciências… da religião… e os como eu… Homem de arte.
 
A - Considera um trabalho duro, criticar a sociedade dessa forma?
GV - Não! É bem molezinho. Quer dizer, às vezes é um bocadinho duro, sim... Às vezes tenho de ir de coche para a cidade ao lado, para falar com o amigo do amigo do meu primo e aquela porra é dura como tudo!
 
V - A sociedade tem razões para estar “zangada” consigo?
GV - (Faz-se de assustado) Quem?! A sociedade?! A do meu tempo ou a do seu?
A - A do seu...
GV - Depende do ponto de vista. Se forem aqueles morcões que a gente paga uma "bjeca", ali na tasca, e eles ficam caladinhos, esses são estúpidos demais para saberem o que é ficar zangado...
 
V - Até que ponto a sua crítica/o seu trabalho o tornou um homem melhor?
GV - Lá está… Vistas bem, bem, mas mesmo bem as coisas,... não tornou! Agora se as virmos assim de longe, eu diria que não só me tornou melhor, mais divertido pelo menos, como também terá tornado a nossa sociedade melhor... Disse alguma asneira?! Já sei! Vocês não notam diferença! As coisas não mudaram tanto assim! Mas ponham vocês o ponto final na situação! É suposto este ser um trabalho de continuidade!
 
V – Bom... julgo que não temos mais questões a colocar...
GV – Óptimo... já se está a fazer tarde e tal, tenho que voltar para a minha dimensão...
 
A – Foi um prazer tê-lo connosco nesta edição do DizQueSim, muito obrigado pela sua disponibilidade.
 
V – Por hoje é tudo, até para a semana…
GV – Quem?! Eu?! Eu não volto cá outra vez!!
V – Não, não, deixe lá... Até para a semana…

 


 

FONTES:
 
- Gil Vicente. Acedido em: 26, Fevereiro, 2007. WIKIPEDIA, http://pt.wikipedia.org/wiki/Gil_Vicente
sentimo-nos:
publicado por Diogo Costa às 20:43
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De blogteam a 23 de Fevereiro de 2007 às 13:43
o vosso blog está muito giro fixe mesmo! espero que nos possamos encontrar na TV daqui a pouco tempo!
visitem o nosso e comentem:
blogteam.blogs.sapo.pt
abraços e boa sorte


De Kadete a 7 de Março de 2007 às 22:16
os videos tão dEmAis...força ai ppl do norte...vocês com certeza vão ficar em 1º nesta 2ª fase...vou torcer por vocês na TV!! Boa sorte e não desiludam :P...


De José a 8 de Março de 2007 às 00:35
Obrigado pelo apoio Kadete!
Esperamos que tenhas razão

Boa sorte para vocês também!

Abraço,


De João Padilla a 28 de Março de 2007 às 18:05
Olá DizQueSim!

Como já tinha dito, o vosso blog está muito bom.

Esperemos encontrar-nos na final na RTP1, caso nós passarmos.

Só uma coisinha... Curiosidade... Com que programas é que vocês fizeram a "Passagem do Tempo" e, no Making Of, 3 planos de filmagem ao mesmo tempo?

Obrigado!

Boa Sorte

João Padilla - Chefe da Equipa Drives


De Diogo Costa a 29 de Março de 2007 às 16:32
Olá João!

Obrigado pela tua mensagem.

Relativamente aos programas que utilizamos, consulta:
http://dizquesim.blogs.sapo.pt/3792.html#comentarios

O efeito de "passagem do tempo" foi programado por nós próprios - não existe nenhum efeito do género pré-definido.
Relativamente aos 3 planos de filmagem, julgo que te referes à sensação de múltiplas câmaras no mesmo espaço de tempo, correcto? Nesse caso, tratou-se de um árduo trabalho de montagem de imagens, uma vez que efectuamos as gravações APENAS com uma câmara. O resto, foi a partir do mesmo ficheiro de som, utilizar imagens de vários momentos de gravação, e tentar ao máximo enquadrá-las no momento. Seria tudo mais fácil se tivéssemos várias câmaras, mas não foi o caso

Boa sorte para vocês!

Abraço,
Diogo
DizQueSim


De João Padilla a 30 de Março de 2007 às 15:31
Obrigado, mas não me podem dar umas dicas?? lool


De Tiago a 30 de Março de 2007 às 15:50
Olá João!

É complicado explicar o que quer que seja por mensagens.

Já tinhamos sugerido fazerem uma pesquisa por tutoriais acerca do programa em causa, mas visto que voltaram a pedir, aqui vai o manual para o editor de vídeo que utilizámos:

http://www.sonymediasoftware.com/download/step2.asp?DID=696

Espero que seja útil

Abraço,
Tiago
(DizQueSim)


De João Padilla a 30 de Março de 2007 às 19:01
Mais uma vez, muito obrigado. Poderiam só dizer-me o nome do efeito de "passagem do tempo" e de multiplas camaras, no programa?

Obrigado!


De Diogo Costa a 30 de Março de 2007 às 19:28
Olá João,

Tal como já disse num comentário anterior:
relativamente ao efeito de "passagem de tempo", ele foi programado por nós - não existe nenhum "pronto a usar"!
E a sensação de múltiplas câmaras, é apenas isso! Uma sensação: não existe nenhum efeito disponível no programa, para se conseguir esta sensação! Passo a explicar, novamente:
Imagina que X pessoa tem que dizer o texto: "Olá João, estou a responder ao teu comentário.".
Gravamos com UMA CÂMARA a pessoa X a dizer isto, a partir de um ângulo. Em seguida, a pessoa X, volta a dizer isto, mas desta vez gravamos a partir de um ângulo diferente.
No final, no programa, apesar de ser a mesma frase, podemos seleccionar imagens da primeira gravação, ou da segunda gravação, dando a sensação que existem múltiplas câmaras. Como podes verificar, não existem efeitos! Trata-se mesmo de um longo e pesado trabalho de produção!

Abraço,
Diogo
(DizQueSim)


De João Padilla a 31 de Março de 2007 às 00:46
Entendo, mas o que queria saber é como se faz!!


De Vanessa a 31 de Março de 2007 às 03:40
Boas noites,

No fundo o que nos estás a pedir, João, é que te ensinemos a editar vídeo através do programa... Trata-se apenas de fazer selecção de imagens, e ajustá-las a um determinado ficheiro de som, como o meu colega disse.
Torna-se complicado explicar por aqui... Tenta aprender através do manual que te démos!

Boa sorte
*


Comentar post

.quem somos

.pesquisar

 

.Maio 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


.posts recentes

. Vencedores Nacionais

. Quarta Semana - Género Pu...

. Terceira Semana - Reporta...

. Segunda Semana - Entrevis...

. Gil Vicente - Vida e Obra

. E nós? Quem somos?

. Bem-vindo!

.arquivos

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.quem somos

.as nossas fotos

.tags

. dizquesim(2)

. entrevista(1)

. escolas do futuro(1)

. flash(2)

. gil vicente(2)

. primeira semana(2)

. quarta semana(1)

. reportagem(1)

. santa maria da feira(2)

. segunda semana(1)

. tema livre(1)

. terceira semana(1)

. vencedores(1)

. vídeo(4)

. todas as tags

.links

.quem nos visitou

blogs SAPO

.subscrever feeds